10 dicas para começar um e-commerce

16 de FEV, 2021 por Herdy susi

“Quero implantar um e-commerce, mas não sei por onde começar”. Se você se identifica com esse dilema, este artigo é para você. Aqui, apresentaremos 10 dicas para começar um e-commerce, de maneira prática e assertiva. Além disso, você poderá conferir dados do mercado que revelam o crescimento do comércio eletrônico e a importância de estar inserido neste canal.

imagem 10 dicas para começar um e-commerce
Quer investir num e-commerce? Confira 10 dicas para implantar um.

Vender e comprar on-line tem sido cada vez mais atrativo para os lojistas e consumidores, respectivamente. Primeiro, porque as pessoas, diante de uma vida tão corrida e agitada, buscam formatos de consumo que tragam praticidade, rapidez e comodidade, em contraponto ao seu cotidiano. O que é, inegavelmente, possibilitado pelos canais de venda digitais. E segundo, porque os lojistas, além de estarem no físico, perceberam a importância de também venderem on-line. Sobretudo no período de pandemia, em que as lojas físicas tiveram que se manter fechadas durante a intensificação do isolamento social. Consequentemente, precisaram buscar e aderir aos canais de venda digitais, seja a partir das redes sociais, marketplaces ou com a implantação de uma loja virtual própria.

Isso sem mencionar a chegada de novos consumidores no comércio eletrônico durante este período e o aumento do consumo realizado por usuários que já tinham o hábito de comprar on-line anteriormente. O 42º relatório Webshoppers, realizado pela Ebit | Nielsen, registrou 7,3 milhões de novos consumidores no decorrer do primeiro semestre de 2020 . Um número que reflete até mesmo no cenário de pós-pandemia.

Além disso, de acordo com o indicador de e-commerce da Câmara Brasileira da Economia Digital e da empresa Neotrust, divulgado pela Folha de São Paulo, em dezembro de 2020, o faturamento do comércio on-line brasileiro obteve um crescimento de 122% no acumulado do ano até novembro, em comparação ao mesmo período de 2019.

Dicas práticas para começar um e-commerce

A partir destes dados, você deve estar pensando: “Vou implantar a minha loja virtual. Impossível que ela não seja lucrativa”. Mas não se engane! Apesar do crescimento do mercado digital ser visível e real, aqui, estamos falando de dados gerais, sem considerar as particularidades de cada negócio. Sendo assim, mesmo diante de um cenário favorável e de nítida expansão, é preciso se atentar a alguns fatores principais, para que o seu projeto de e-commerce gere bons resultados. Confira, a seguir, 10 dicas para começar uma loja virtual, e seja assertivo em suas decisões.

1. Comece com o planejamento

Nenhum investimento novo deve pular a etapa do planejamento. Afinal, o seu plano de negócio será a bússola que norteará a maioria das suas decisões seguintes. Neste momento, você definirá o valor que poderá ser desembolsado para o projeto, o que não deve faltar no seu e-commerce, de acordo com o perfil dos seus consumidores, e se você pretende integrar a sua loja física à virtual, numa proposta de omnicanalidade. Além disso, é fundamental traçar o seus objetivos e metas, de maneira realista, a fim de facilitar a execução das estratégias mais adiante.   

Mas se você não tem um ponto de venda físico e quer iniciar no mercado digital, o seu planejamento precisa ser um pouco maior. É necessário definir o seu segmento de atuação, estabelecer quem será o seu público-alvo, identificar o seu perfil e comportamento, escolher os seus fornecedores, procurar entender melhor as legislações que envolvem a abertura de um e-commerce no Brasil etc. Este é o momento ideal para entender o mercado, com o propósito de ser o mais assertivo possível.

2. Defina a plataforma de e-commerce ideal para o seu negócio

Após a estruturação do plano de negócio, é hora de começar a pesquisar as plataformas de e-commerce disponíveis no mercado e entender qual delas atenderá a sua empresa da melhor maneira. Atualmente, existem quatro tipos de tecnologia voltadas para o comércio eletrônico: Open Source, Proprietária, SaaS e Própria. Para saber melhor sobre o funcionamento de cada uma delas, clique aqui e confira o artigo “Conheça os tipos de plataforma de e-commerce”. 

Está aí a importância do planejamento. Tendo em mente as particularidades do seu negócio, conhecendo o seu público e estabelecendo o orçamento disponibilizado, você poderá definir com mais nitidez qual é a plataforma ideal. Mas não deixe de considerar alguns aspectos fundamentais, pois uma decisão ruim pode interferir negativamente nos resultados da sua loja. 
Saiba que é preciso contar com uma tecnologia que te permita crescer, possibilite a criação de funcionalidades voltadas para promover uma experiência de compra ainda mais rápida e intuitiva e, falando em rapidez, que ofereça velocidade, a fim de evitar problemas como lentidão no carregamento das páginas. Perceba! Uma boa escolha hoje, impedirá possíveis dores de cabeça no futuro, incluindo uma migração de plataforma.

3. Estabeleça as formas de pagamento que serão disponibilizadas

Outro ponto imprescindível para começar um e-commerce é estabelecer as formas de pagamento que serão disponibilizadas aos consumidores: boleto bancário, cartão de crédito e débito, transferência on-line, Pix etc. Saiba que quanto mais meios de pagamentos oferecer, maiores são as chances dos consumidores converterem e efetuarem a compra. 

Além disso, é interessante contar com um gateway de pagamento, para facilitar e trazer mais controle e transparência no que tange à gestão financeira da loja. Afinal, ele é um sistema responsável por integrar as informações do pagamento às instituições bancárias ou operadoras de cartão de crédito.  

4. Conte com certificações de segurança

Quando se trata de um e-commerce, no qual o consumidor nunca comprou antes, é natural que ele fique receoso de consumir um determinado produto, com medo de cair num golpe. Enquanto o lojista, também necessita se resguardar para não sofrer fraudes e ter prejuízos. Sendo assim, não deixe de contar com certificações de segurança, a fim de proteger a você e aos seus consumidores, além, é claro, de não perder vendas por desconfiança do usuário. Deixar o número de telefone, num lugar de fácil visibilidade, também é uma das maneiras de trazer mais segurança e estimular a confiança do seu público. 

5. Fique atento às legislações

Apesar de, durante o planejamento, você já ter introduzido o “estudo” sobre as leis referentes à abertura de uma loja virtual,  também é importante se atentar à legislação para formular a sua política de privacidade, troca e devolução, antes de colocar o e-commerce no ar.

Dentre essas normas e diretrizes, é válido destacar a LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados -, que garante mais segurança e transparência em relação à captação, armazenamento e descarte dos dados dos usuários, e o Código de Defesa do Consumidor (CDC), responsável por regular as relações de consumo e resguardar os consumidores. Segundo o CDC, por exemplo, o cliente pode se arrepender de uma compra em até sete dias corridos, enquanto o prazo para a troca pode ser definido pelo próprio lojista, costumando variar em até 30 dias. Esses são alguns tipos de normas legais que precisam ser seguidas pelo seu e-commerce.

6. Pense em UX/UI para proporcionar uma boa experiência de compra

Uma das maneiras de se destacar no mercado digital, conquistar os consumidores e aumentar o número de conversões e de clientes fidelizados é através de uma boa experiência de compra. Para isso, é fundamental pensar, dentre outros fatores, na User Experience (UX), ou seja, Experiência do Usuário, e na User Interface (UI), isto é, Interface do Usuário. 

Portanto, o design da sua loja deve seguir a identidade visual da sua marca e estar em conformidade com o comportamento dos seus consumidores, a fim de proporcionar uma jornada de compra simples, breve e personalizada, de modo que ofereça muita usabilidade e navegabilidade. É neste ponto que, mais uma vez, a escolha da plataforma poderá interferir positiva ou negativamente nos seus resultados. Conte com uma tecnologia que seja versátil o bastante para possibilitar a criação de funcionalidades que aprimorem a Experiência do Usuário.

7. Estruture o seu sistema de logística

A logística também é um elemento extremamente relevante e que está diretamente atrelado à experiência do cliente. Afinal, os consumidores geram muitas expectativas em torno da chegada do produto comprado. Portanto, não deixe de respeitar o prazo de entrega determinado e de se atentar à qualidade da embalagem e à maneira como o item chegará ao cliente. Sendo assim, conte com os parceiros certos – Correios e/ou transportadoras -, que garantam uma entrega eficiente e segura. Além disso, informar o status do pedido, de maneira fidedigna, também é um excelente recurso para trazer mais confiança e segurança aos seus consumidores.    

8. Desenvolva estratégias de marketing

Não basta ter um e-commerce incrível, contar com excelentes produtos e oferecer uma ótima experiência de navegação e compra, se os seus consumidores ainda não o conhecem. Logo, é imprescindível utilizar o marketing digital a seu favor e traçar estratégias que tragam visibilidade à sua loja virtual. 

Afinal, os motores de busca levam um certo tempo para darem relevância aos sites e garantirem um bom posicionamento nos resultados de busca. A princípio, pode ser interessante investir em mídia paga no Google Ads e Facebook Ads, a fim de conquistar tráfego. Ademais, utilize as redes sociais como grandes aliadas, para estreitar o relacionamento com os seus consumidores e atraí-los ao seu e-commerce.    

9. Invista na integração dos canais de venda

Se você já tem loja física e, agora, investirá no e-commerce, nada melhor do que realizar a integração desses canais de venda, seguindo a promissora tendência do Omnichannel. Através desta tática, você poderá potencializar as suas vendas, permitindo, por exemplo, a compra no site e a retirada na loja física ou a compra no físico e a entrega do produto na residência do consumidor. 

E se você possui mais de uma loja física e em mais de uma cidade e estado, é possível transformar os seus estoques em centros de distribuição, a fim de agilizar a entrega, evitar a perda de vendas por falta de produtos e reduzir o custo referente à entrega. Além disso, você pode transformar a sua equipe de vendas em vendedores digitais, resultando num maior engajamento do time, através de comissões pelas vendas no e-commerce. Desta maneira, físico e digital se unem, caminham como um só e proporcionam uma experiência de consumo ainda melhor aos clientes.

10. Utilize as datas a seu favor

Assim como as lojas físicas aproveitam algumas datas específicas para atrair os consumidores e garantir mais vendas, os e-commerces também podem se beneficiar com elas. Inclusive, existem algumas ocasiões que são exclusivas ou ainda mais fortes no mercado digital, como a Black Friday, o Dia do Frete Grátis, o Dia do Consumidor etc. Por isso, fique atento ao calendário do e-commerce e não deixe nenhuma oportunidade escapar. Você pode utilizar valores promocionais, isenção de taxa de entrega para algumas localidades, campanhas temáticas etc. 

Dica extra: Conte com os parceiros certos para viabilizarem o seu projeto

A escolha dos profissionais que realizarão a implantação da sua loja virtual, também é importantíssima. É necessário que eles tenham ambientação na plataforma selecionada, expertise no desenvolvimento de e-commerce e estejam antenados às tendências do mercado. 

A M3 é uma agência especializada em implantação, evolução e migração de e-commerces na Plataforma VTEX, focada em User Experience e nas particularidades de cada cliente. Quer saber mais sobre o comércio eletrônico e a implantação de uma loja virtual? Entre em contato conosco. Estamos prontos para conduzir o seu negócio a um próximo nível. 

Divulgue esse Artigo

Deixe sua resposta
Pense fora da caixa black friday 2020 fique pronto para lucrar BAIXE GRATUITO AQUI
Pense fora da caixa black friday 2020 fique pronto para lucrar BAIXE GRATUITO AQUI