Exemplo de e-commerce B2B: Como investir no comércio eletrônico?

25 de NOV, 2020 por Pablo Ribeiro

Uma pauta muito recorrente entre as empresas, nos últimos anos, vem sendo o processo de transformação digital. Elas estão buscando continuamente recursos que visam otimizar cada serviço, usando a tecnologia a seu favor, a fim de potencializar os resultados. E uma das maneiras das corporações B2B – Business to Business – corresponderem a essas tendências do mercado é através da obtenção de um canal de vendas on-line. Neste artigo, você saberá o que o esse mercado espera, conhecerá diversos formatos para operar no comércio eletrônico Business to Business e poderá conferir exemplo de e-commerce B2B.  

imagem exemplo de e-commerce b2b

Antes de mais nada, vamos à tradução da sigla B2B. O termo Business to Business significa Negócio para Negócio, portanto, se refere às transações comerciais realizadas entre empresas. Diferentemente de instituições B2C – ou seja, Business to Consumer – que comercializam os seus produtos para o consumidor final. 

É importante ressaltar que independentemente do formato ou das particularidades de cada corporação B2B, é possível que ela esteja presente no mercado digital e conte com um canal de vendas on-line. Então, não se engane pensando que o comércio eletrônico não é para a sua empresa e que ele só é vantajoso para as operações Business to Consumer, porque o crescimento do B2B no digital é capaz de nos revelar o oposto deste pensamento.

Observemos os dados do mercado! Estima-se que até o final deste ano, as vendas globais do e-commerce B2B cheguem a US$ 6.7 trilhões, ao passo que a previsão para o B2C é de US$ 3.2 trilhões. Para você ter uma ideia, nos Estados Unidos, onde o comércio eletrônico é mais maduro, a Forrester Research, em 2017, previu que as operações digitais do B2B movimentarão US$1.2 trilhões em 2021, o que representa mais de 14% das vendas Business to Business norte-americanas.

Crescimento da participação do B2B no mercado digital

Antes de implantar um e-commerce no formato B2B, é natural que o empresário sinta insegurança. Afinal, estamos falando de operações bastante complexas, num território, relativamente, pouco explorado por este segmento. Mas se tem algo de positivo que a pandemia trouxe consigo foi, inquestionavelmente, a movimentação e a aceleração do processo de transformação digital em diversas empresas, sejam elas B2B ou B2C. Justamente na tentativa de se manterem no mercado. 

O cenário provocado pela pandemia evidenciou a importância de estar presente no on-line e não se limitar ao físico. Portanto, se antes, inúmeras corporações Business to Business já estavam se planejando e viabilizando a implantação de lojas virtuais, agora, o número de instituições que passaram a investir no mercado digital expandiu consideravelmente. A pandemia foi, de fato, um acelerador de tendências, mas não podemos desconsiderar que elas já existiam e, no caso do mercado digital B2B, não foi diferente.

O consumidor Business to Business, apesar de ser representado e identificado por um CNPJ, possui uma pessoa física por trás responsável pelo setor de compras, seja o próprio dono da instituição ou um funcionário. E ele já está habituado a fazer as suas aquisições pessoais em e-commerces e também está em busca da mesma praticidade, agilidade e comodidade das compras B2C. Uma pesquisa realizada pela Forrester Research deixa isso bastante evidente. 93% dos consumidores entrevistados afirmam que optariam por fazer suas compras de atacado, através de canais digitais, caso tivessem a possibilidade.

Vantagens de ter um e-commerce B2B

Você, mais do que ninguém, sabe o quão desafiador é alcançar o máximo de clientes possíveis num país com extensão continental como o Brasil. É nítido que o sistema tradicional de representantes comerciais acaba não conseguindo atender a todos, sendo inviável chegar até os clientes que estão mais distantes ou aqueles que têm menor potencial  de compra. Já com um e-commerce, é possível ampliar a sua base de empresas consumidoras, conseguindo alcançar aqueles que os representantes não conseguem.

Isso sem mencionar que ele reduz custos relacionados à locomoção dos representantes e falhas na operação, já que são os próprios clientes que selecionam o que desejam. E o melhor! Dia e horário já não serão mais empecilhos para o seu consumidor, afinal, a loja virtual vai operar vinte e quatro horas por dia, durante os sete dias da semana. Com o e-commerce, a sua equipe de representantes comerciais deixará de ser tiradora de pedidos, para se concentrar em atender clientes estratégicos.

As possibilidades e formatos de um e-commerce Business to Business

Você possui diversas possibilidades para operar no mercado digital B2B. Mas é claro que é preciso contar com uma plataforma de e-commerce que esteja preparada para isso e seja versátil o bastante para permitir customizações relacionadas às suas especificidades, como é o caso da VTEX. O segmento Business to Business, por si só, exige funcionalidades que o B2C dispensa. Afinal, estamos falando de transações comerciais entre empresas, que são muito mais burocráticas.

Neste jogo, entram em campo impostos, variação de regras fiscais, condições comerciais diferenciadas – de acordo com o perfil do cliente -, variedade de tipos de pagamento, limitação de pedido mínimo etc. Por isso, é fundamental que a plataforma escolhida possibilite que o e-commerce opere da maneira almejada, sem deixar de proporcionar uma experiência de consumo breve e simples aos clientes.

Em relação às possibilidades, é viável, por exemplo, configurar a plataforma, de modo que o cadastro do cliente seja feito previamente, antes mesmo dele ter acesso aos produtos e valores. E comprar, apenas, mediante a aprovação da sua empresa. Esse é o caso do e-commerce da Ave Rara, do segmento de moda. Ela conta com o formato de varejo – para o consumidor final – e atacado – para revendedores. Entretanto, no segundo caso, é preciso que o usuário realize o cadastro e obtenha a sua aprovação para, depois, ter o acesso completo à loja e poder consumir. 

imagem exemplo de e-commerce b2b ave rara

Mas existem outros casos em que o lojista B2B opta por liberar o acesso ao e-commerce a todo o tipo de consumidor, sendo que para adquirir itens no atacado e poder comprar por um preço menor, é necessário consumir até alcançar o valor ou a quantidade do pedido mínimo. Este é o sistema utilizado pela Bauarte, marca do segmento de bolsas, malas, mochilas e acessórios, que também opera no varejo e atacado.

imagem exemplo de e-commerce b2b bauarte

Exemplos de e-commerce B2B

As operações digitais Business to Business podem ser realizadas por indústrias, distribuidoras, marcas que comercializam para revendedores etc. Além da Ave Rara e da Bauarte, também contamos com outros clientes que comercializam seus itens no atacado e já perceberam o potencial do mercado digital, como a Bunge – multinacional do segmento de agronegócio, bionergia e de alimentos -, que logo no início da pandemia decidiu implantar o seu e-commerce. Isso sem mencionar as marcas que contam com os dois formatos de venda – varejo e atacado -, como a Compra Fácil Lingerie e a Sacoleira Chique, além das que foram apresentadas anteriormente.

Vamos juntos

Como você pôde ver, com a escolha certa da plataforma, é possível garantir operações Business to Business personalizadas e totalmente coerentes com as suas estratégias mercadológicas. Quer saber mais sobre o comércio eletrônico B2B e o que a VTEX permite aos e-commerces neste formato? Então, clique aqui e baixe, gratuitamente, o e-book “A revolução das operações B2B através do varejo digital”.

E se você deseja esclarecer algumas dúvidas ou tirar o seu projeto do papel e investir no mercado digital B2B, entre em contato conosco! O time M3 é VTEX Partner e especialista em implantação, evolução e migração de lojas virtuais. Vamos juntos!

Divulgue esse Artigo

Deixe sua resposta
Pense fora da caixa black friday 2020 fique pronto para lucrar BAIXE GRATUITO AQUI
Pense fora da caixa black friday 2020 fique pronto para lucrar BAIXE GRATUITO AQUI