D2C: Descubra se esse modelo de negócio é para você

25 de MAR, 2019 por Pablo Ribeiro

Saiba, neste artigo, o que é D2C e se este modelo, realmente, é o mais adequado para o seu e-commerce.

O que é E-commerce D2C?
E-commerce D2C: Descubra se esse modelo de negócio é para você.

Você provavelmente já ouviu falar em modelos de negócio como B2B (Business-to-Business) e B2C (Business-to-Consumer), certo? Porém, o universo do empreendedorismo não para de se reinventar e de trazer novas possibilidades de negociação e vendas. Hoje, vamos falar sobre mais uma delas: o D2C.

A sigla D2C significa Direct to Consumer, ou seja, Direto ao Consumidor, e pode ser compreendida como um modelo de negócio no qual o fabricante envia o produto diretamente ao consumidor final, dispensando lojas físicas, centros de distribuição, atacadistas etc. 

Esse modelo representa uma possibilidade muito atraente para as indústrias, pois dessa maneira, conseguem aumentar sua margem de lucro e sua rentabilidade. De uma forma simples, podemos dizer que as indústrias passam a lucrar como o varejo – através da venda de produtos aos clientes – porém com algumas particularidades.

De acordo com uma pesquisa feita pela Bringg, 87% das indústrias apontam que o D2C é bastante relevante tanto para a empresa quanto para os consumidores. Ademais, 47% deles disseram estar utilizando esse canal para aumentar os seus lucros. Podemos afirmar que é uma estratégia altamente benéfica.

Vantagens do D2C

Existem muitas vantagens em adotar o modelo D2C e, claro, algumas desvantagens também. Antes de saber se esse tipo de negócio vai funcionar no seu caso, além de saber como operá-lo, também é necessário fazer uma análise de marketing estratégico. Em suma, esse estudo vai levar em consideração o nicho ao qual sua empresa pertence, o produto que ela oferece, o tempo de mercado etc. Veja a seguir alguns benefícios encontrados por quem já aderiu a esse formato:

  • Gera diferencial competitivo, pois ao eliminar o intermediário, é possível diminuir impostos e, consequentemente, o preço dos produtos. Dessa forma, fica mais fácil vencer a briga com os concorrentes;
  • O consumidor também sai ganhando com uma melhor estrutura de suporte e garantia;
  • A proximidade maior com o público final permite conhecê-lo melhor, favorecendo os testes de novos produtos;
  • Você pode passar a fabricar os produtos após a compra, evitando que as peças fiquem “encalhadas” no estoque e abrindo a possibilidade de oferecer produtos personalizados.

E as desvantagens do D2C?

Em relação às desvantagens, um dos maiores problemas pode ser o desgaste no relacionamento com a rede de revendedores, caso o seu objetivo seja manter os dois canais em paralelo. Uma saída para esse impasse pode ser diferenciar os produtos comercializados em cada tipo de loja, evitando a concorrência desleal. Por exemplo, você pode vender via D2C produtos em lançamento e liquidação, enquanto deixa que seus revendedores cuidem do resto do estoque. Dessa forma, você garante seu espaço e não prejudica seus parceiros.

Outro ponto negativo refere-se à necessidade de apresentar uma logística segmentada, já que é uma especificidade de pequenas encomendas, portanto operações relacionadas ao estoque, separação, embalagem e envio precisarão se adequar a este novo formato.

O que é preciso fazer para operar em D2C?

Há algum tempo atrás, somente grandes players do mercado eram capazes de adotar esse modelo de negócio. Principalmente por causa dos custos altos envolvidos na implantação e manutenção de um ponto de venda físico. Entretanto, com a facilidade em criar e gerir um e-commerce, indústrias de pequeno e médio portes também podem passar a operar dessa forma.

Portanto, basta transformar o site institucional que você já possui em uma loja virtual para alcançar o consumidor final. Escolha uma plataforma de e-commerce customizável e com um sistema de gestão eficiente. Com a loja implementada, invista em estratégias de marketing e logística que contemplem o consumidor.

3 motivos para operar em D2C

O primeiro requisito para ser uma empresa que funciona como D2C é produzir o produto que será vendido. A ideia desse modelo é manter o controle total sobre a fabricação, o marketing e a distribuição de produtos. Esse é um ponto a favor para quem atua em nichos como moda, por exemplo. Se você está começando a estruturar um negócio e ainda está em dúvida sobre o modelo de negócios que deve adotar, confira a lista com 3 motivos para considerar o D2C.

# 1: Menos custos

Entregar o produto direto ao consumidor final significa deixar de lado uma série de custos que a logística da distribuição em grande escala implica. Comissões de vendas para revendedores também ficam de fora dessa conta. Além da rapidez do faturamento, que entra diretamente no caixa da empresa.

# 2: Maior competitividade

A expressão “preço de fábrica” é um chamariz e tanto para os consumidores. E faz todo o sentido. Sem os custos mencionados no tópico anterior, o produto chega ao consumidor final a um preço bem mais baixo.

# 3: Contato com o cliente final

Uma relação mais próxima entre fábrica e cliente é vantajosa também para quem produz. A partir dos feedbacks obtidos no pós-venda, é possível promover melhorias nos produtos mais rapidamente. Ademais, você conhece o seu cliente como ninguém e pode explorar novos canais de comunicação que gerem mais conexão com ele.

Dados relevantes sobre o D2C

A seguir, listamos alguns dados relevantes para você compreender a dimensão da estratégia D2C no mercado de e-commerce:

  • Uma pesquisa feita pela empresa Salesforce constatou que 99% das marcas de bens de consumo líderes de mercado já estão investindo em estratégias D2C;
  • Entre os setores mais consideráveis para o D2C, destacam-se os eletrônicos e os eletrodomésticos;
  • Segundo estudo divulgado no VTEX Day 2018, 50% dos clientes pesquisam se as marcas fabricantes têm e-commerce próprio;
  • Um dos caminhos mais oportunos para as indústrias venderem seus produtos no formato D2C é através dos marketplaces.

D2C, B2C E C2C: Qual a diferença?

O mundo dos negócios é cheio de siglas que podem causar confusão para quem não tem muita experiência nesse meio. No caso da venda ao consumidor, existem três delas: D2C, B2C e C2C.

Como já explicamos no início do texto, D2C (Direct-to-consumer ou Direto ao consumidor) consiste num modelo de negócios em que empresas vendem diretamente ao consumidor. Portanto, não é necessário o intermédio de uma loja, um revendedor ou qualquer outro agente. É um modelo de negócio verticalizado.

Assim como no D2C, o B2C (Business-to-consumer, ou seja, Empresa para consumidor) se refere à transação comercial entre empresas e cliente final. Mas, neste caso, existe a presença de um intermediário. A fábrica vende os seus produtos para uma loja, que adiciona uma margem de lucro ao valor do produto e faz a venda ao consumidor.  É importante destacar que todo o D2C é B2C, mas nem todo o B2C é D2C.

No C2C (Consumer-to-consumer, portanto, Consumidor para consumidor), as trocas comerciais acontecem entre dois consumidores. Em sites como o Enjoei, por exemplo, e até em grupos do Facebook, essas transações podem ser negociadas facilmente.

É interessante ressaltar que sem a internet, seria impossível pensar em formatos como D2C e C2C. 

Estratégias para você alcançar o sucesso no D2C

A regra de ouro para ter um e-commerce D2C é a organização. A sua empresa vai ter uma série de processos diferentes acontecendo ao mesmo tempo. Estruturar setores, delegar gerências e, ao mesmo tempo, manter todas as informações concentradas em um só lugar vai te ajudar a estar sempre no controle. Veja mais algumas dicas a seguir: 

  • Ofereça a possibilidade de personalização dos produtos. Opções, variações e quantidade ilimitadas podem te garantir vendas ainda maiores;
  • Assegure um atendimento ao cliente rápido e eficiente, capaz de tirar todas as dúvidas sobre o produto. Afinal, ninguém melhor que o próprio fabricante para fazer esse tipo de esclarecimento;
  • Garanta a devolução e a troca dos seus produtos de forma fácil. Isso transmite uma maior segurança ao cliente que ainda não conhece a sua marca, além de ser um fator importante para deixá-lo mais inclinado à compra;
  • Na hora de definir quais serão os produtos do seu portfólio, a ideia é  pensar em algo que o público já esteja acostumado a usar, mas que pode ser refeito de forma mais barata e melhor;
  • Você pode optar por ter revendedores, e pode continuar centralizando as vendas. No e-commerce, os clientes têm a opção de comprar direto do fabricante e escolher um revendedor que faça a entrega do item; 
  • Lembre-se! O e-commerce não oferece barreiras para a inovação, inclusive no modelo de negócios. 

Você que possui uma indústria já pensou em operar como D2C? Conte pra gente nos comentários!

Divulgue esse Artigo

Deixe sua resposta