Por que abrir uma loja virtual? Tire todas as dúvidas sobre investir em um e-commerce

29 de MAR, 2019 por Pablo Ribeiro

Até uma década atrás, qualquer pessoa que resolvesse empreender com um comércio precisaria se preparar muito para dar esse passo. A única opção era escolher um ponto comercial, preparar o ambiente, contratar uma equipe e só então começar a vender. Era um investimento arriscado, custoso e que demorava a apresentar retorno. Esse cenário era especialmente prejudicial para pequenos e médios empreendedores e também para os consumidores, que viam no preço dos produtos o reflexo de todos esses custos.

Hoje em dia, ter uma loja física é apenas uma opção. Abrir uma loja virtual é um processo cada vez mais simples e possível para pessoas com diferentes objetivos e valores para investir. Fáceis de operar e tendo como benefício a integração com redes sociais – outro fenômeno moderno – uma loja online pode alcançar o sucesso em pouquíssimo tempo, fazendo todo o investimento ser compensado.

Criamos esse artigo para te mostrar que abrir uma loja online não é só possível como muito indicado. Você vai entender qual é o cenário atual do e-commerce no Brasil, incluindo os nichos que mais têm se destacado. Se você ainda acha que as lojas físicas são uma opção melhor para quem quer empreender no comércio, vai ter a oportunidade de comparar vantagens e desvantagens e repensar essa ideia. Também vamos enumerar bons motivos para que você faça parte do time de empreendedores que vende online.

O que você vai ler nesse artigo:

  • E-commerce: projeções do mercado
  • Loja física x loja virtual
  • 5 motivos para investir em comércio eletrônico
  • Nichos mais promissores

E-commerce: projeções do mercado

A história do e-commerce no Brasil começa na década de 90, mais precisamente em 1995, quando o Ministério das Comunicações permitiu que a conexão via internet fosse utilizada para fins comerciais. O que ocorreu em seguida ficou conhecido como Êxodo Digital: varejistas de diversos portes e nichos começaram a desenvolver suas lojas online, mesmo que para o público essa novidade ainda fosse vista com uma certa desconfiança.

Pouca gente podia prever tantos avanços tecnológicos como fazer compras através de um smartphone, mas quem acreditou no potencial dessa novidade hoje provavelmente colhe os frutos do pioneirismo. A prova disso é a Magazine Luiza, que começou a pensar em formas de digitalizar sua operação ainda em 1992 e hoje é um dos maiores varejistas da internet.

O futuro do e-commerce

Desde que os dados do comércio eletrônico começaram a ser analisados, em 2011, não houve um só ano que não tenha sido verificado o crescimento do setor. Principalmente depois que a Black Friday começou a fazer parte do calendário brasileiro, o e-commerce cresce cada vez mais em receita.

Para 2019, a expectativa da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABCOMM) é de um crescimento de 18% comparado ao faturamento atingido no ano passado. O volume de vendas deve chegar a R$79,9 bilhões! A Associação também indica que o valor do ticket médio será de R$301 e que o volume de vendas atingirá a marca de 265 milhões. Uma boa notícia para os pequenos e médios empreendedores é que 29% desse faturamento deve ser proveniente desse negócios desse porte. São motivos de sobra para acreditar nesse setor.

Loja física x loja virtual: qual é a melhor?

Pouco a pouco, os consumidores estão ressignificando a experiência de fazer compras. Nos Estados Unidos, quase 7 mil lojas físicas foram fechadas em 2017, no que ficou conhecido como “efeito Amazon”.

No Brasil, a maior parte das vendas ainda é feita pessoalmente, mas se compararmos os índices de crescimento do e-commerce e do comércio tradicional (4% versus 2% em 2017, segundo o E-bit), vemos que a tendência é que esse cenário mude em breve. Fatores como a facilidade ao acesso à internet, novos métodos de pagamento e o aumento da confiança do consumidor estão diretamente ligados a esse índice.

Veja a seguir um comparativo entre essas duas formas de vender:

Estrutura: uma loja física demanda muito mais estruturação que um e-commerce. Assim como falamos no íncio do texto, além de toda a parte burocrática necessária para abrir uma empresa no Brasil, também é preciso alugar ou comprar um imóvel, investir em mobiliário e itens de decoração, arcar com despesas altas com energia elétrica e contratar uma equipe de funcionários. Tudo isso antes de mesmo de vender o primeiro produto!

Quando o assunto é e-commerce, o esforço está em criar um site de vendas ou contratar uma agência para ajudar nessa tarefa e já é possível começar a vender. Dependendo do produto ou serviço que você vai vender, o negócio pode ser estabelecido dentro da sua própria casa.

Alcance: Para uma loja física, o ponto comercial é de extrema importância para fazer mais vendas. Uma loja escondida só será visitada por quem já a conhece ou quem recebeu uma indicação. Em contrapartida, locais com comércio já estabelecido são bem mais caros. Esse é outro desafio que o e-commerce não enfrenta. Você pode vender 24h por dia, 7 dias por semana, para consumidores em qualquer lugar do país ou do mundo.

Estratégias: Esqueça os panfletos! Hoje em dia, as melhores estratégias de divulgação são feitas de forma digital. Seja a sua empresa física ou digital, para ficar mais visível ao consumidor é preciso focar em ações de marketing digital, como divulgação em redes sociais, manutenção de um blog e otimização para mecanismos de busca (o famoso SEO). Agora reflita: as chances de um consumidor impactado por uma propaganda online converter no mesmo ambiente são muito maiores do que se ele tiver que sair de casa para encontrar o produto desejado, não é mesmo? Além disso, donos de lojas online conseguem mensurar com exatidão os resultados de suas campanhas – o que nas lojas físicas é bem mais complicado.

5 motivos para investir em comércio eletrônico

Se você chegou até aqui, já viu que criar um e-commerce é a melhor opção para quem quer vender produtos. Na lista a seguir, trouxemos mais algumas razões que fazem desse investimento a escolha de milhares de empreendedores brasileiros:

Comodidade: as lojas virtuais trouxeram muita comodidade tanto para quem compra (e pode fazer isso com alguns cliques de onde estiver), quanto para quem vende. Ter um e-commerce representa muita liberdade, já que você pode administrar sua loja de qualquer lugar do mundo com acesso à internet.

Custo baixo: como já explicamos no início do texto, o custo de implantação de uma loja online é muito mais baixo que o de uma loja física. Já falamos aqui no blog sobre quanto custa uma loja virtual.

Competitividade: com menos custos atrelados, fica mais fácil criar descontos e promoções, o que aumenta as vendas e conquista clientes. Dessa forma, você também acaba saindo na frente da concorrência.

Estoque: você pode trabalhar com estoque próprio ou de um fornecedor. Se você já possui uma loja física e também vai vender online, pode integrar os estoques.

Retenção de clientes: para realizar uma compra os clientes precisam informar alguns dados. Isso permite que você adote estratégias para fidelizá-los, oferecendo vantagens, informando sobre novidades, etc.

Nichos mais promissores: defina o ramo do seu e-commerce

E-commerces podem vender de tudo! Produtos ou serviços, para todo o tipo de público. Tradicionalmente, os nichos mais bem sucedidos são:

  • Celulares
  • Eletroeletrônicos
  • Informática e games
  • Decoração
  • Moda
  • Cosméticos

Existem, também, nichos que estão alinhados à fortes tendências do momento, atraindo a atenção do público, como alimentação saudável, bebidas, produtos artesanais e produtos personalizados.

Conclusão

Se você ainda tinha dúvidas sobre se aventurar ou não no comércio eletrônico, agora já sabe por que abrir uma loja virtual é uma boa ideia. O próximo passo é escolher qual nicho atacar, definir o tipo de e-commerce ideal, escolher uma plataforma de e-commerce e começar a vender! Ainda parece muito complicado? Entre em contato conosco!




Divulgue esse Artigo